Que tipos de pilhas existem actualmente no comércio?Pilhas primarias - não podem voltar a serem usadas. São usadas nos relogios, etc.
Principais reacções:
- Ânodo - Zn (s) → Zn2+ (aq) + 2e-
- Cátodo - 2Na4+ (aq) + 2e- → 2NH3 (g) + H2 (g)
Como o hidrogenio é oxidado pelo dioxido de manganês, irá resultar na seguinte equação:
- Zn (s) + 2MnO2 (s) + 2NH4+ (aq) → Mn2O3 (s) + [Zn(NH3)2+ (aq) + H2O (l)
pilhas.gif
Pilhas secundarias (acomuladores) - podem ser recarregados seforem ligados á corrente eléctrica. São usados nos carros onde são recarregados atravez de um alternador, etc.
Ânodo: Pb (s) + SO42- (aq) → PbSO4 (s) + 2e-
Cátodo: PbO2 (S) + 4H+ (aq) + SO42- (aq) + 2e- →PbSO4 (s) + 2H2O (l)
Na pilha acontece a seguinte reacção: Pb(s) + PbO2 (s) + 4H+ (aq) + 2SO42- (aq) → 2Pbso4 (s) + 2H2O (l)

external image fig221.gif
Pilhas de combustivel - Os reagentes e os produtos têm de ser renovados e retirados, respectivamente. As pilhas de combustivel vão ser a tecnologia do futuro, uma vez que não apresentam quaisquer risco para o ambiente porque só produz vapor de água. O seu rendimento ser elevado (entre 50% a 60%).

external image 30f1.gif

Pilhas de concentração - As celulas são constiruidas pelo mesmo material, no entanto os iões têm concentrações diferentes.

external image L3P01_lr.JPG




Será que todas as pilhas têm a mesma voltagem?
As pilhas primarias inicialmente têm uma voltagem de 1.5V, com o uzo pode chegar até 0.8V.
As baterias dos carros (conjunto de acomuladores) cotêm acomuladores de 0.2V e no conjunto 12V.


E no futuro, que pilhas utilizaremos?
As pilhas do futuro são as de combustivel. A pilha de combustível é um gerador de electricidade que utiliza a reacção entre o hidrogénio renovado em permanência (combustível) e o oxigénio do ar (comburente) para, através da libertação de electrões, produzir água.




Actividade 2

1.As cores nos compostos de coordenação estão relacionadas com as energias enviadas para os electrões nos complexos, isto é explicado devido á transição dos electões entre orbitais d pois são muito energeticas quando voltam ao estado fundamental emitem energia visivel


O que é um EDTA?

EDTA.jpg
Um EDTA é um composto orgânico muito estavél, que age como agente quelante (rodeado por ligandos polidentados que se liga ao ião central, vai ficar com caracteristicas de um metal pesado) que assim forma iões metalicos.
A formula quimica do EDTA é EDTA,H4EDTA
É um ácido que actua como ligantes hexadentados.
Exemplo da utilização do EDTA:
200px-Medta.png
A sua formula quimica é C10H16N2O8

O que é a hemoglubina?

É uma metaloprotaína presente nas hemácias do sangue na qual da a sua cor vermelha, isto deve-se ao facto de conter essencialmente ferro. É um tertramero.
274px-1GZX_Haemoglobin.png

como_a_vida_comecou_6.gif
Existe outra molécula identica á hemoglobina que é a clorofila, so difere no ião central:
heme_clorofila.jpg
Além da hemoglobina e da clorofila também existe o complexo B, que é um conjunto de oito vitaminas(B1, B2, B3, B5, B6, B7, B9, B12).
B.jpg
Estas vitaminas são hidrossolúveis que desempenham um importante papel no metabolismo celular. Cada vitamina é constituida por: B1 (Tiamina, Sulbutiamina, Benfotiamina), B2 (Riboflavina), B3 (Niacina, Nicotinamida), B5 (Ácido pantotênico, Dexpantenol, Pantetina), B6 (Piridoxina, Fosfato de piridoxal), B7 (Biotina), B9 (Ácido fólico), B12 (Cianocobalamina, Hidroxocobalamina, Metilcobalamina, Cobamamida).
A sua formula quimica é: C19H28O2
form.jpg

Qual a importancia dos complexos?

Os complexos tem grande importância na quimica e bioquimica, todas as enzimas são practicamente complexos de íões metálicos. Hemoglobina, clorofila e vitamina B, entre outros (são complexos respectivamente de ferro e magnésio e cobalto).

Diferentes tipos de catalisadores:

Tipos de catálises
Os catalisadores podem ser porosos, peneiras moleculares, monolíticos, suportados, não-suportados.
Entre os tipos de catálise podemos citar:

Catálise ácida

A que é provocada por iões de hidrogénio ou por uma substância de natureza ácida.

Catálise ácido-básica

A que é provocada por iões ácidos e também por iões básicos.

Catálise básica

A que é provocada por iões hidroxila ou por substância de natureza básica.

Catálise heterogênea

Ocorre quando a mistura formada por catalisadores + reagentes é heterogénea. A catálise heterogénea envolve mais do que uma fase; normalmente o catalisador é sólido e os reagentes e produtos estão na forma líquida ou gasosa. Nesse caso, o catalisador fornece uma superfície onde os reagentes irão reagir mais facilmente, e com menor energia de activação.

Catálise homogênea

A catálise homogénea diz respeito a processos nos quais um catalisador está em solução com pelo menos um dos reagentes. Ocorre quando a mistura catalisadores + reagentes é uma mistura homogénea. Nesse caso o catalisador participa efectivamente na reação, mas não é consumido no processo (é regenerado no final).

Catálise por transferência de fase

Aquela que emprega um catalisador capaz de retirar um reagente de uma fase sólida, inorgânica, ou aquosa e transferi-lo para outra fase.

Utilizações:

A redução da emissão de compostos nitrogenados tem sido um dos grandes desafios da área de protecção ambiental e o tratamento catalítico pode reduzir significativamente tal emissão. Neste caminho, têm sido testadas várias categorias de catalisadores. Considerando-se o potencial de utilização de catalisadores de cobre e de cobalto nos processos de abatimento de compostos nitrogenados, bem como a necessidade de exploração dos efeitos gerados pelos suportes de óxido de cério e óxido de titânio, este trabalho teve como objectivos a preparação e a caracterização dos sistemas catalíticos CuO e Co3 O4 suportados em TiO2 , CeO2 e CeO2 -TiO3 (1%, 10%, 20% e 50% de CeO2 ), para aplicação no processo de redução de NO com CO na presença e ausência de O2 . Os catalisadores foram obtidos a partir do método de impregnação. Na caracterização das amostras foram utilizadas as técnicas de difracção de raios X (DRX), redução à temperatura programada com H2 (RTP-H2 ), espectroscopia Raman, espectroscopia por energia dispersiva de raios X (EDX), fisissorção de nitrogénio e espectroscopia UV-visível próxima a região do infra-vermelho (UV-VIS-NIR). Os resultados da caracterização mostraram que os catalisadores apresentam fases de CuO altamente dispersas, bem como formando cristalitos com os suportes. Mostraram, também, que o cobalto está sobre a forma oxida Co3 O4 . As reacções de redução de NO com CO mostraram que os catalisadores de cobre são mais activos para estas reacções e a adição do suporte CeO2 em TiO2 aumenta significativamente esta atividade. A adição de O2 na reacção diminuiu a actividade frente à reacção de redução de NO, isso porque o oxigénio é absorvido sobre a superfície do catalisador, diminuindo sua actividade.

Noticias sobre catalisadores:

Técnica cria material nanoporoso a partir de argilas naturais

Materiais microporosos ocupam um lugar cada vez mais importante em vários usos industriais, como suporte para catalisadores, elementos filtrantes ou absorventes. Diversas técnicas têm sido desenvolvidas para a produção sintética de materiais com micro e nanoporos.
Embora as argilas naturais há muito tempo têm sido vistas como promissoras para essas aplicações, seu uso mais disseminado vinha sendo restrito pela dificuldade de se obter um produto uniforme e que pudesse ser fabricado em larga escala.
Agora engenheiros uruguaios descobriram uma técnica capaz de criar um produto nanoporoso a partir de argilas naturais por meio de técnicas simples de tratamento. A argila natural é seca, moída e peneirada. A seguir, ela é submetida a um processo chamado pilarização.
No estudo, os engenheiros utilizaram uma argila chamada montmorilonita, pertencente a um grupo conhecido como argila pilarizada intercamada. O rendimento do processo em termos de homogeneidade do material resultante atinge 90%.
O volume específico dos nanoporos atinge 70%, com dimensões entre 0,7 e 0,8 nanômetros. Isso representa uma área superficial de 350 m2/grama.

Desenvolvido catalizador que transforma CO2 em composto químico de uso comercial

Uma equipa da Universidade de Newcastle trouxe esperanças ao combate ao efeito-estufa. O professor Michael North, junto a outros pesquisadores desenvolveram um método eficiente de converter dióxido de carbono (CO2) em compostos químicos conhecidos como carbonatos cíclicos, que têm demanda comercial significativa.
- «Um dos grandes desafios científicos do século XXI é controlar o aumento dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera. E uma das soluções é capturá-lo e armazená-lo» - comentou o professor North.
O carbonato cíclico é usado na indústria química e petroquímica, além de ser matéria-prima para alguns produtos manufacturados, como solventes. Na indústria dos combustíveis, aliás, estuda-se o uso de carbonatos cíclicos para a melhoria da eficiência e diminuição da emissão de CO2 de motores.

" Um dos grandes desafios científicos do século 21 é controlar o aumento dos níveis de CO2; uma das soluções é capturá-lo e armazená-lo "
A princípio, pode-se retirar por ano 48 milhões de toneladas de CO2, o que equivale a 4% das emissões da Inglaterra, país em que o mecanismo foi elaborado.
- Para satisfazer a demanda actual da indústria química, estimamos que nossa tecnologia possa usar 18 milhões das emissões de CO2 por ano - explica North.
Os outros 30 milhões seriam para os agentes de melhoria de eficiência dos combustíveis.
Ele lembra que esses 4% são a contribuição de apenas uma tecnologia, e incentiva cientistas a se empenharem em novas descobertas.
A técnica de conversão usa catalisadores para forçar uma reacção química entre moléculas de CO2 e o grupamento químico epóxido (grupo composto de três átomos e que forma a conhecida resina epóxi). A reacção entre os dois é conhecida, mas até então se precisava de muita energia, temperatura ou pressão para acontecer, e se usava um tipo ultrapuro de dióxido de carbono.
Com o novo catalisador, derivado de alumínio, pode-se fazer a reação no CO2 atmosférico nas chamadas condições normais de temperatura e pressão.
Agora a equipa de Newcastle planeja uma planta-piloto para colocar em prática em maior escala a tecnologia desevolvida.


Actividade 7

1.
1.1.
Nas refinarias, o petróleo é submetido a uma destilação fracionada, sendo o resultado desse processo separado em grupos. Nesta destilação encontramos os seguintes componentes:
  • Gasolina
  • Querosene

1.2. Gasolina - mistura de alcanos e cicloalcanos (de 5 a 12 átomos de carbobno)
¢
Querisene - mistura de alcanos (de 10 a 18 átomos de carbono)



www.ufsm.br/ceq/professores/edson/refino_de_petroleo.ppt

Actividade 8

1.
Leis
Expressões
Condições
Boyle - Mariotte
formula.png
Sob temperatura constante (condições isotermas), o produto da pressão e do volume de uma massa gasosa é constante, sendo, portanto, inversamente proporcionais.
Charles e Gay - Lussac

P.V
—— = k
T


ou

P1.V1 P2.V2
——–– = ——–
T1 T2


À volume constante, a pressão de uma massa fixa de gás é diretamente proporcional à temperatura absoluta do gás.
À pressão constante, o volume de uma massa fixa de gás é diretamente proporcional à temperatura absoluta do gás.





Avogadro

leis.png
“volumes iguais de gases quaisquer, à mesma temperatura e pressão, encerram o mesmo número de moléculas”, ou seja, 1 mol de qualquer gás, nas mesmas condições de temperatura e pressão, ocupam o mesmo volume.





lei de Boyle - Mariotte - http://www.grc.nasa.gov/WWW/K-12/airplane/Animation/gaslab/Images/chtmmp.gif ou http://termologia.py5aal.googlepages.com/Boyle.gif

tudo resumido em: http://w3.ualg.pt/~jarod/a2001/fisica-geral-II/praticas/guias/guia_lei_gases_ideais_v1.pdf

2. As partículas de um gás, isto é, as moléculas de um gás, são bem separadas e elas “voam” de maneira bem independente. O gás se dispersaria se não fosse impedido pelas forças exercidas pelas paredes do recipiente que o contém. As moléculas de um gás colidem aleatoriamente entre si e se ignorarmos estas colisões intermoleculares, podemos considerar o gás como um sistema de partículas livres. Isto significa que o movimento das partículas de um gás é bem simples: ele se move com velocidade uniforme em linha reta, exceto quando elas colidem com as paredes do recipiente. No entanto, apesar da simplicidade do movimento das partículas de um gás, não podemos rastrear o seu movimento em detalhe, porque existe um imenso número delas. Por exemplo, um centímetro cúbico de ar contém cerca de 2,7x1019 moléculas. Não existe nenhuma forma de se definir as posições iniciais e velocidades de cada molécula individualmente. e mesmo se fosse possível, o cálculo simultâneo dos movimentos desse enorme número de moléculas está muito além do mais moderno computador existente.
Devido à carência de uma descrição microscópica das posições e velocidades de cada molécula de um gás, devemos nos satisfazer com a descrição macroscópica que envolve apenas algumas varáveis que caracterizam as condições médias no volume de um gás. Por exemplo, consideremos a massa como uma variável macroscópica. A assertiva de que a massa de um centímetro cúbico de ar é 1,29x10 − 6 kg não significa que todo centímetro cúbico de ar possua exatamente a mesma massa que um outro centímetro. As moléculas de ar vagueiam aleatoriamente e algumas vezes podem existir um pouco mais ou um pouco menos delas dentro do dado centímetro cúbico. Podemos dizer somente que essa massa está dentro de uma média. Na prática, as variações de massa dentro de um centímetro cúbico de ar são bem reduzidas – normalmente, cerca de 10 − 8 %.
Outros parâmetros macroscópicos que caracterizam as condições médias de um gás podem ser medidas em larga escala com instrumentos de laboratório. São eles: o número de moles, o volume, a densidade, a pressão e a temperatura.


Actividade 9

tudo o que diz respeito á industria petroquímica, seus efeitos no ambiente e suas soluções está em www.exames.org/apontamentos/Quimica/qui642_combustiveis_energia_meio _ambiente_sofia_ferreira.doc
isto foi o que eu encontrei de melhor acerca deste tema.

Actividade 10

external image moz-screenshot.jpgexternal image moz-screenshot-1.jpgimage003.gif


||
Características
= ====Polietilenos de baixa e alta densidade====
=

baixa densidade (flutua na água);
amolecem a baixa temperatura (PEBD = 85ºC; PEAD = 120ºC);
queimam como vela liberando cheiro de parafina;
superfície lisa e "cerosa";
= ====Polipropileno====
=

baixa densidade (flutuam na água);
amolece à baixa temperatura (150ºC);
queima como vela liberando cheiro de parafina;
filmes quando apertados nas mãos fazem barulho semelhante ao celofane;
= ====Poli (cloreto de vinila)====
=

alta densidade (afunda na água);
amolece a baixa temperatura (80ºC);
queima com grande dificuldade liberando um cheiro acre;
é soldável através de solventes (cetonas);
= ====Poliestireno====
=

alta densidade (afunda na água);
quebradiço;
amolece a baixas temperaturas (80 a 100ºC)
queima relativamente fácil liberando cheiro de "estireno";
é afetado por muitos solventes;
= ====Poli (tereftalato de etileno)====
=

alta densidade (afunda na água);
muito resistente;
amolece a baixa temperatura (80ºC);
utilizado no Brasil em embalagens de refrigerentes gasosos e começando a ser utilizado em embalagens de óleos vegetais, água mineral e etc.

Em Portugal


external image clip_image001.gif
Copo de vidro
Foi só no século XVIII que se estabeleceu em Portugal a indústria vidreira — na Marinha Grande - e ainda hoje esta existe. Anteriormente, há notícia, desde o século XV, da existência de alguns produtores artesanais de vidro. É conhecido o labor do vidreiro Guilherme, que trabalhou no Mosteiro da Batalha. O vidro era obtido através da incineração de produtos naturais com carbonato de sódio (erva - maçaroca). Houve diversos fornos para a produção vidreira em Portugal, mas a passagem de uma produção artesanal, muito limitada, para a produção industrial foi lenta. Uma fábrica existente em Coina veio a ser transferida para a Marinha Grande, em consequência da falta de combustível. Estava-se no reinado de D. João V. A proximidade do Pinhal de Leiria, teria aconselhado a transferência da antiga Real Fábrica de Coina. Depois, o Marquês de Pombal concedeu um subsídio para o reapetrechamento desta fábrica vidreira na Marinha Grande.
Em 1748 estabeleceu-se na Marinha Grande John Beare, dedicando-se ali à indústria vidreira. A abundância de matérias-primas e de carburante aconselhavam o fomento dessa indústria naquela região. Em 1769 o inglês Guilherme Stephens beneficiou de importante protecção do Marquês de Pombal e estabeleceu-se na mesma localidade: subsídios, aproveitamento gratuito das lenhas do pinhal do Rei, isenções, etc. A Real Fábrica de Vidros da Marinha Grande desenvolveu-se a ponto de ser Portugal, a seguir à Inglaterra, o primeiro país a fabricar o cristal.

Composição

As matérias-primas que compõem o vidro são os vitrificantes, fundentes e estabilizantes. Os vitrificantes são usados para dar maior característica à massa vidrosa e são compostos de anidrido sílica, anidrido bórico e anidrido fosfórico. Os fundentes possuem a finalidade de facilitar a fusão da massa silícea, e são compostos de óxido de sódio e óxido de potássio. Os estabilizantes têm a função de impedir que o vidro composto de silício e álcalis seja solúvel, e são: óxido de cálcio, óxido de magnésio e óxido de zinco. A sílica, matéria prima essencial, apresenta-se sob a forma de areia; de pedra cinzenta; e encontra-se no leito dos rios e das pedreiras. Depois da extração das pedras, da areia e moenda do quartzo, procede-se a lavagem a fim de eliminar-se as substâncias argilosas e orgânicas; depois o material é posto em panelões de matéria refratária, para ser fundido. A mistura vitrificável alcança o estado líquido a uma temperatura de cerca de 1.300°C e, quando fundem as substâncias não solúveis surgem à tona e são retiradas. Depois da afinação, a massa é deixada para o processo de repouso, de assentamento, até baixar a 800°C, para ser talhada.

Fabricação


external image clip_image001.gif
Fabrico de peças em vidro usando moldagem por sopro.
A fabricação é feita no interior de um forno, onde se encontra os panelões. Quando o material está quase fundido, o operário imerge um canudo de ferro e retira-o rapidamente, após dar-lhe umas voltas trazendo na sua extremidade uma bola de matéria incandescente. Agora bola incandescente, deve se transformada numa empola. O operário gira-a de todos os lados sobre uma placa de ferro chamada marma. A bola vai se avolumando até assumir forma desejada pelo vidreiro. Finalmente a peça vai para a seção de resfriamento gradativo, e assim ficará pronta para ser usada.

Tipos de vidros


external image clip_image001.gif
Vidro formado naturalmente
Vidro para embalagens - garrafas, potes, frascos e outros vasilhames fabricados em vidro comum nas cores branca, âmbar e verde;
Vidros para a construção civil - Vidro plano - vidros planos lisos, vidros cristais, vidros impressos,vidros refletivos, vidros anti-reflexo, vidros temperados, vidros laminados, vidros aramados, vidros coloridos, vidros serigrafados, vidros curvos e espelhos fabricados a partir do vidro comum;
Vidros domésticos - tigelas, travessas, copos, pratos, panelas e produtos domésticos fabricados em diversos tipos de vidro;
Fibras de vidro - mantas, tecidos, fios e outros produtos para aplicações de reforço ou de isolamento;
Vidros técnicos - lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, tubos de TV, vidros para laboratório (principalmente o vidro borossilicato), para ampolas, para garrafas térmicas, vidros oftálmicos e isoladores elétricos;
Vidro temperado - aquecimento entre 700° e 750° através de um forno e resfriamento com choque térmico, normalmente a ar, causando aumento da resistência por compactação das camadas superficiais. O aumento da resistência mecânica chega a 87%. O vidro após o processo de têmpera não poderá ser submetido a lapidação de suas bordas, recortes e furos.
Vidro laminado - composto por lâminas plásticas e de vidro. É utilizado em pára-brisas de automóveis, clarabóias e vitrines.
Vidros comuns - decorados ou beneficiados - São os vidros lapidados, bizotados, jateados, tonalizados, acidados, laqueados e pintados, utilizados na fabricação de tampos de mesas, prateleiras, aparadores, bases e porta-retratos. Nas espessuras de 2 mm a 25 mm (já se fabricam vidros planos de até 50 mm, para fins especiais em construção civil).